10.9.09

Sleeping beauty


Os dias de escola duram tempo demais.
Vou sempre buscá-la o mais cedo que me é permitido mas, mesmo assim, continuo a achar que a deixo entregue a estranhos (que não têm 1/10 dos cuidados que sempre tive com ela) tempo demais.
Sinto-me como se tivesse tido que deixá-la no mundo e que ainda é cedo demais para se desenvencilhar sozinha.
É como se tudo aquilo que na minha opinião é básico, de repente fosse considerado acessório.
Noutro dia, 10 minutos depois de ter chegado a casa, adormeceu no sofá. Caiu literalmente para o lado porque os outros meninos choram desgostosos e, por isso, não consegue dormir na escola.
Pergunto a mim mesma se algum dia vou achar que, à excepção da importante interacção com pessoas do mesmo tamanho, a escola faz falta nesta idade.

---

(english translation available soon)


14 comments:

Lou* said...

Acho que eles próprios nos dão a resposta..

Noutro dia fui apelidada de "mãe galinha" mas a verdade é que sabemos bem quando é altura de "largar". E este não é o momento, de certeza.

A culpa faz parte de ser mãe mas isso apenas acontece na sociedade em que vivemos. Agora tornou-se obrigatório as crianças entrarem na pré-escola com 3 anos !!!

bébé tout mimi said...

tao linda...o que estara ela a sonhar?

pombamarela said...

A escola tem coisas boas e coisas más, tens de te concentrar nas boas para não custar tanto, mesmo assim és uma sortuda, pudeste ficar com ela até aos 3 anos, a Alice foi para uma ama aos 7 meses e a Adriana foi para o berçário da escola aos 6. É muito duro porque nós como mães conhecemos-lhes os ritmos, as necessidades, o palrar, mas elas ainda não falam para dizer o que querem.

alice said...

É certo que nos primeiros dias ela se vai sentir estafada, mas de qualquer forma não é nada normal que os outros meninos chorem nessa situação.

E não me parece que ao questionares isso estejas a ser mãe-galinha.
Aliás, os pais por aqui pecam por se envolverem pouco com a escola dos filhos.

Para mim, a escola fazer falta ou não depende apenas da criança e claro, varia muito consoante o tipo de escola! É suposto ser um sítio onde eles se divertem e aprendem com alguma disciplina, e não onde passam por situações stressantes a nível diário.


A pré-primária só é obrigatória a partir dos 5 anos, e acho que já no estabelecimento onde vão frequentar a primária.
Até lá nada é obrigatório, até porque neste país não há serviços públicos suficientes para suprir as necessidades e ninguém te pode obrigar a pagar uma pré-primária privada.

Anonymous said...

Tens muita razão...
Á conversa com uma colega que tem um bebé de ano e meio, fiquei a saber realmente que não há cuidados alguns nas creches e infantários! Claro que existem excepções à regra, mas a história que me contou, deixou-me no mínimo transtornada!
O filhote dela começou a aparecer com certas irritações na pele do rabinho!
Para tirar dúvidas, ela marcou a fralda do filho, de manhã, às 8:30 quando o deixou na creche...
Ás 18:30, quando o foi buscar, a fralda era a mesma!
Faz-me questionar que tipo de testes fazem às pessoas que trabalham e tratam de crianças e idosos... Não estou a falar de formação... Estou a falar de testes ao QE ( quociente emocional), testes psicotécnicos, etc...

Só penso ter um filho quando tiver tempo para lhe dedicar! Não é querer proteger a criança em demasia, mas não quero enfiar um filho o dia inteiro com pessoas estranhas e desinteressadas do seu bem estar! Quero ter tempo para levá-lo ao parque e deixa-lo correr à vontade... quero que se suje, caia e brinque tanto quanto quiser/puder... Quero que tenha a liberdade de aprender pela experiência e não pela imposição! Quero que respire ar puro, que possa ver e sentir a natureza ao máximo... Quero poder ensinar-lhe como fazer coisas (para que não se habitue apenas a comprar feito)!!!

Provavelmente não terei filhos nesta vida... não é algo que me preocupe! Preocuparia-me muito mais se o tivesse sem as condições que considero indispensáveis, expondo-o a uma sociedade pouco voltada para o ser humano!

Desculpa o desabafo Rita, mas considero as crianças, o melhor que temos neste mundo... e preocupa-me a arrogância como os adultos muitas vezes acham que sabem o que é melhor para elas, impondo-lhes ritmos e conceitos que nem eles próprios acreditam e conseguem manter!
Não é para te deixar ainda mais preocupada...
Acho linda a relação que mostras ter com a tua filhota... linda mesmo! Nunca a percam!

Marta Mourão said...

E agora um parecer de alguém que foi para a pré-primária aos 4 anos...
Sempre fui super apegada à minha mãe e custou-me horrores ir com 4 anos para a escola. Lembro-me do 1º dia como se fosse hoje. Engraçado como é possível lembrar-me tão bem de um dia que já aconteceu há tanto tempo.
Isto para dizer que olhando para trás, acho que devia ter ido mais cedo. Sinto que se tivesse ido antes dos 4 anos, não tinha tantas dificuldades em desprender-me da minha mãe e teria sido uma criança mais sociável na escola.
Lembro-me que estranhava imenso a interacção dos outros miúdos, aquilo para mim era novo porque até à data tinha ficado sempre só com uma pessoa.
Sabes que eu acho que as crianças não sentem como as mães. Tu ficas apreensiva, mas se calhar a tua filha não se rala tanto.
E há sempre coisas boas e menos boas, faz parte do contacto das crianças com o mundo real, com a mãe mais longe.

rita said...

não posso dizer que não seja uma pessoa com sorte, em muitos aspectos sou, mas não tive a sorte de ficar com ela em casa até aos 3 anos. longe disso, e essa é uma das causas para a minha descrença em relação à infantil/pré-primária.
A 1.ª vez que tive que a deixar na creche, por falta de alternativas viáveis (ai, se eu soubesse!) ela tinha 5 meses e meio.
Esteve na escola até aos 2 anos e pouco, num processo esgotante para todos.
E depois, por variadíssimos motivos, mudámos de cidade e a nossa vida toda, para que durante um ano pudesse estar fora da escola.
o problema principal não é o grau de estafanço, mas o facto de os funcionários das escolas não estarem preparados nem formados nem informados para que cumpram o básico das normas de higiene.
é por isso que a miúda já está de molho em casa ao fim de uma semana.

Anonymous said...

demasiado linda

umademim said...

xiiii
ao meu accionaram o "plano de contingência " porque ele tinha 38º de febre e o pingo no nariz...cheguei ao infantário e estava efiado num wc supostamente desinfectado com a educadora de máscara! da parte da tarde tinha 37º e nem ben uron tomou. uns sprays de água do mar depois, mimo, e passeio, não tinha nada. ao outro dia estava fresquinho como uma alface. só mo deixam voltar com uma declaração de um médico a dizer que está bom de saúde e tenho uma falta ao trabalho para justificar (que chatisse ter ganho umas horas com ele)....fobias da gripe...

pombamarela said...

Peço desculpa Rita, mas pela forma como falaste parecia que era a 1ª vez que ia para a escola.
Concordo em muito contigo no que diz respeito aos cuidados de higiene.

beijinhos e as melhoras para a tua A.

Paula said...

Pergunto-me o mesmo todos os dias.

Será a escola assim tão essencial? Não é verdade que além de construir, destrói também facetas preciosas de nós? Deles?

uhma | handmade said...

O Vasco foi para a escola o ano passado, tinha 2 anos e meio. Senti-me a pior das mães e deixava-o com o coraçao apertado vinha a chorar para casa e sem saber muito bem até que ponto o que estava a fazer era certo. Demorou muito tempo a adaptar-se e peguntava-me se lhe dariam o mimo que precisava quando o deixava. Cheguei à conclusão que sim, davam. O Vasco é super mimado pela educadora adora-a e como não tenho o horario muito rigido a hora para o ir buscar é imprevisivel o que já me deu oportunidade de ver o mimo que lhe dão muitas vezes, o colinho que tem, os beijinhos e carinhos e festinhas sem medo de gripes... se calhar é uma excepção e caso raro e se o é que sorte a minha. Agora tenho a certeza que fiz muito bem em ter conseguido manter-me forte naqueles dias. Adora estar comigo mas tb adora a B. dele e sei que ela adora os meninos dela.
Espero que o teu aperto no coração e incertezas se transformem em certezas como as minhas. Beijinhos.

Carina said...

Acho que já foi tudo dito. O meu ainda é muito pequenino (apenas 4 mesinhos) mas já começo a sentir o mesmo que tu, até porque daqui a uns 3 meses serei mesmo obrigada a deixá-lo a alguém :-(

Marina said...

Acho que nessa idade a escola faz falta, mas não a todas as crianças. Depende da maneira como são educadas em casa. Há crianças que precisam tanto da escola nessa idade como de pão para a boca, porque em casa não têm regras nem bons hábitos e depois quando chegam ao 1º ciclo nem brincar com outros meninos sabem. ;) Estou a gostar deste blog! :) Bjs