18.7.11

Goodbye migraines!

melhor
Este post entra no universo da minha vida (muito) privada, mas resolvi escrevê-lo porque espero com ele conseguir ajudar uma ou mais mulheres que o leiam.
Para muitas pessoas esta é uma realidade com a qual não se identificam, mas haverá outras tantas (muitas) que sofrem do mesmo problema.
Quem me conhece pessoalmente sabe que nos últimos 3 anos sofri de enxaquecas frequentes e altamente invalidantes, quase semanalmente, e muitas com 2 ou 3 dias de duração.
Depois de vários neurologistas, um batalhão de exames e análises, alguma dose de medo à mistura, medicação com os mais diversos e terríveis efeitos secundários (e cansada de que não fosse encontrada uma solução para o problema que me continuava a minar a vida), após o baixar dos braços do último médico (!?) com a frase: "– não há nada a fazer, tem que tomar Zomig quando precisar, os triptanos são a única coisa que lhe resolverá as crises que vai tendo", resolvi eu (que não sou miúda de desistir facilmente) fazer algumas experiências. Deixar de tomar contracepção hormonal foi a 1.ª. 
Durante os primeiros 2 meses ainda tive enxaqueca em dias específicos, perto das datas em que o nível de estrogénio desce.
Mas ao fim de 4 meses, posso agora afirmar que estou enxaqueca-free!
Para além dessa 1.ª medida tomei outras que acho que também contribuem positivamente: passei a dormir mais horas, deixei de comer chocolate frequentemente, deixei de beber leite de vaca, voltei a ter uma alimentação mais equilibrada e a beber mais água.
Saber que não vou de repente ficar com todos os planos do dia de molho e voltar a viver sem dores tão frequentes, e consequentemente ter recuperado qualidade de vida, é um alívio enorme.
Espero que outras pessoas possam alcançar o mesmo grau de sucesso ao porem em prática esta solução tão simples, sem recurso a qualquer tipo de medicação preventiva da dor ou analgésicos de alto risco.

22 comments:

ela said...

fico feliz que estejas melhor.
achei curioso pq tive uma sensação de familiaridade quanto vi o teu post :)
http://avidadosmeussapatos.blogspot.com/2011/07/sexta.htm

é engraçado que tenhamos reparado na mesma coisa e tirado a mesma foto.

beijinhos!***

Cristina Guimarães said...

Bolas! Parece que estás a descrever o exacto percurso que eu fiz até chegar às mesmas conclusões que chegaste :-)

ana ventura said...

BOA! Fico feliz por ti.

Isabel Marques said...

eu felizmente não tenho enxaquecas mas uma amiga minha tinha enxaquecas que só o zomig resolvia. Isto durou anos até ela começar a fazer algumas mudanças que ajudaram a que não tivesse enxaquecas: deixou de beber leite e todos os derivados de leite; começou a comer a horas certas e comida mais saudável; começou a dormir mais horas. A verdade é que passados uns meses desta mudança, começou a sentir-se muito melhor.
É bom partilhar-se estas dicas!

Cristina Guimarães said...

(e ainda acrescentando ao comentário e em tom de desabafo) devo dizer que tive que ir para as urgências com enxaqueca pelo menos umas 5 vezes, a última das quais durou 1 semana e acabei lá com medicação na veia e a oxigénio.

Fui também a uma neurologista particular que me viu e deu um cocktail de 4 ou 5 medicamentos que eu simplesmente que recusei a tomar.

E eu, com as mesmas medidas que descobriste, consegui reduzir significativamente o número de crises.

Ainda tenho enxaqueca uma ou outra vez (mas raramente), principalmente quando passo por situações de muito stress ou deixo descontrolar o sono.

Obrigada por partilhares.

purple said...

Conheço bem as enxaquecas, tenho convivido bem de perto com as sacanas, desde os 11-12 anos. Fiz alguns exames há muitos anos atrás, e nos últimos tempos também adoptei outros comportamentos. Tenho mudado de pílula, e pelo menos desde que parei com a Yasmin a coisa melhorou, pelo menos não são tão fortes...
A alimentação faz, sem dúvida, toda a diferença. Basta comer queijo e chocolate para a dor "mensal" (que dura por norma uns dias) vir com maior intensidade. Gorduras, refogados fortes e massa ou arroz branco também não ajudam...
Bom, isto é pelo menos a experiência mais "recente"...
(para além das enxaquecas também partilhamos a mesma foto, eheh...a minha foi tirada há uns anos, presumo que no mesmo sítio!!)
um abraço*

inês nogueira said...

que bom, rita. fico mesmo contente por ti. nunca tive tal coisa mas conheço quem tenha e sei como é mesmo, mesmo difícil. fizeste muito bem em partilhar.

Pacas said...

obrigada pela partilha! e parabéns pela "auto-cura"

rita said...

eu já tinha passado tantas vezes por esta parede e nunca tinha reparado!
tirei a foto na semana passada, fiquei a achar que era uma coisa recente... só prova que tem tudo a ver com a atenção com que olhamos para as coisas e que há coincidências :-)

as enxaquecas podem ter as mais variadas origens, e esta solução que está a resultar para mim não será boa para todas as pessoas. mas se ajudar alguém, nem que seja só 1 pessoa, já valeu a pena a partilha.
obrigada por comentarem!

ela said...

a minha foto tb é da semana passada. já tinha passado ali mil vezes e nunca tinha visto ...

:)

Gabriela... said...

Revejo-me em tudo o que descreveste.
Passei pelas mão de vários neurologistas, exames a rodos e 6 anos depois fiquei curada com uma simples consulta de Homeopatia.
Deixei de tomar a pílula, bebo 2l de água por dia, não bebo leite e afins... fiquei livre de enxaquecas!
Abraço e as melhoras,
Gabriela

miss_xo said...

Parabéns por estares melhor de saúde :) e obrigada por partilhares, eu não sabia sequer que certos alimentos podiam ajudar a provocar tamanhos 'sofrimentos'.
Sinceramente deixa-me chocada a forma como a comunidade médica só pensa em enfiar comprimidos na boca, e diz que as coisas não têm solução se eles não funcionam, em vez de sugerirem que as pessoas mudem hábitos de vida, resolvendo os problemas de forma saudável e sem drogas ...
beijinhos :)

rita pinheiro said...

Rita, que boa noticia! Fico muito feliz :D

Virgínia said...

Nem sabes como fico feliz em saber. E acho tão importante que o partilhes! Bom verão, Rita!

pontos said...

Que bom, fico contente por ti. Não as tenho frequentemente, mas também sei o que é ficar paralizada por causa delas... :P
Se estiveres interessada em fazer mais algumas mudanças na alimentação/vida, espreita aqui:
http://www.marksdailyapple.com//welcome-to-marks-daily-apple/
Eu li o livro e fiquei muito curiosa. Estou num regime Primal à cerca de 1 mês e sinto-me muito bem. Também estou fora da contracepção hormonal, pois o meu corpo andava a batalhar contra ela e posso dizer que este mês os dias chatos foram muito menos chatos! :)
Beijocas

alice said...

boa, Rita!
Fico contente por teres descoberto a solução certa e definitiva, sem efeitos secundários assustadores!
E deixares os lacticínios de certeza que também vai fazer uma grande diferença - eu tive de deixar por outras questões de saúde (principalmente imunitárias) e a diferença foi brutal.

theweightofdreams said...

ainda bem que te sentes melhor :-)
sofro do mesmo desde pequena.
nunca fiz grande coisa a não ser tomar medicação de vez em quando, passando de coisas mais fraquinhas a mais fortes nos últimos tempos.
normalmente sei prever quando elas vêm... em situações de stress, falta de descanso, em centros comerciais, ...
também me custa tomar medicação, por isso quando posso opto por me fechar no quarto completamente às escuras e tentar dormir.
há uns anos uma pessoa conhecida falou-me de uma mezinha que ajuda: chá de gengibre fresco (a que junto mel, limão e às vezes canela).

obrigada por falares abertamente do que está a resultar no teu caso. certamente ajudará muita gente.

Tereclopes said...

O que eu sofri com elas,quando estava no trabalho, nem conseguia conduzir, tinham que me trazer a casa, onde me deitava às escuras e com um analgésico fortíssimo que me corroía o estômago e depois os intestinos.Algumas vezes passava à primeira toma mas muitas vezes também tinha que aguentar até fazer hora de tomar outro analgésico.Tinha também das chamadas luminosas que começam com a visão de luzinhas que nos põem muito incomodadas depois as luzes passam e fica a dor horrível.A minha pior fase foi durante os meus trinta anos, a partir dos quarenta começaram a melhorar e hoje tenho mas muito fraquinhas que nem preciso de tomar nada.Nunca tomei contracepção hormonal,mas eu sabia que havia alimentos que me provocavam crises, laranjas, tomate, café, mas eu era tonta e comia tudo na mesma e depois sofria as consequências... ainda bem que estás melhor, porque só quem nunca teve é que não sabe dar o valor.

[corisca.rapariga] said...

não nos conhecemos, mas parece que passamos pelo mesmo. identifico-me com a tua situação e, por isso, compreendo perfeitamente o que dizes. no meu caso também reparei que o queijo era um problema...ainda não me considero curada, mas melhorei o suficiente para recuperar qualidade de vida. obrigada por partilhares, acho importante a transmissão destes pequenos conselhos que podem ser essenciais para quem passa pelo mesmo.
melhoras para todas ♥

La Sailve said...

Olá Rita!
Eu também sei que é isso, com direito a paragens de digestão e tudo.
Para além de tudo o que tu já descobriste, gostaria de partilhar aquilo que a mim me "curou": acupunctura.
Fiz no Polidiagnóstico há já alguns anos, com o Dr. Quaresma e nunca mais sofri com essas malvadas!
Fica mais esta dica aqui tão perto!
**

Bába said...

Oh! Que alivio, não?
Só quem já passou por ficar fechada 1 dia no quarto às escuras e a ter de pôr o relógio na gaveta para não ouvir o tictac constante, sabe bem o que são enxaquecas! Já mudei de contraceptivo oral imensas vezes, mas com a tua descrição estou convencida a deixá-lo de parte e de vêz! Uf!
Não consigo contabilizar os dias da minha vida que perdi devido a esta desgraçada maleita... e ainda por cima sou alergica ao Acido Acetisalicilico (aspirina e afins), há sina mais negra?!
Obrigada.

Rita said...

Não nos conhecemos mas pelos vistos já tínhamos, infelizmente, uma coisa em comum... As minhas soluções foram semelhantes ás tuas, mas também só depois de muitas tentativas consegui resolver quase a 100% o problema. Era como alguém descreveu, só sabe o que é uma enxaqueca quem fica um dia inteiro fechada num quarto às escuras e nem o relógio suporta ouvir... Fico feliz que estejas melhor e pela partilha : ). Obrigada, bjs.