16.5.11

A simple portrait

dressing room hello
Fotografar-me é-me difícil.
É frequente não gostar do resultado e (re)vejo-me sempre distante da imagem que tenho de mim.
Com as fotos promocionais das peças da cooler e da wooler tenho que contrariar a timidez e a angústia de me expôr, apesar de na maioria das vezes detestar as fotos ou achar que a "persona" retratada não sou definitivamente eu.
Apesar do feedback positivo em relação às mesmas, tenho muita pena de não ter começado de outra forma ou de ter uma modelo à disposição para quando for preciso.
Mas agora é tarde.
Já tentei deixar de ser eu o suporte das peças, mas tive uma enxurrada de comentários a dizer que não podia ser, que as marcas dependiam da minha imagem, por isso não tenho mesmo como sair de cena de mansinho.
A consequência mais imediata é comprometer a actualização das lojas de forma aguda, porque quase tenho taquicardia quando penso em apontar a máquina para mim e ser o assunto mais uma vez e, por isso, só as tiro quando estou mesmo para aí virada.
O que não acontece frequentemente, como devem ter podido constatar nos últimos tempos.

Daí que tenha ali uma quantidade de peças à espera que eu acorde um dia destes com o ego em alta e não a achar, como de costume, que estou com um ar miserável demais para promover o que quer que seja.
Mas adiante, que o que queria realmente dizer é que a imagem ali de cima (que tem quase 2 anos), tirada num provador de uma loja e que redescobri ontem (e que cumprindo a tradição da auto-estima zero eu tinha desprezado totalmente na altura em que a tirei), me fez ficar a olhar para ela.
É que pela primeira vez numa foto, para além das parecenças inegáveis que tenho com a minha mãe, ao olhar para mim vejo também o meu pai.
Isso coloca-a na minha galeria de fotos preferidas e publico-a sem a mínima contrariedade.
É que esta sou eu.


---

Taking self portraits is a very hard thing for me.
I often dislike the result and find myself very distant from the image i have of me.
With
cooler and wooler pieces promotional pictures i have to counter the shyness and anxiety of exposing myself, although most of the time i really dislike them and think that the persona portrayed isn't definitely me.
Despite the positive feedback regarding them, i really regret i didn't start otherwise, or not having a model available everytime i need one.
But it's too late for that now.
I've tried to no longer be the pieces model, but i had a flood of comments saying that i couldn't do that because the brands depended on my image, so now i don't even have a way of leaving the scene quietly.
The most immediate consequence is
acutely compromising the stores updates, because i almost suffer of tachycardia when i think of pointing the camera at me and being the subject once more and, therefore, i only do it when i really feel up to it.
Not so often as i should, as you've been able to check for the past months...
That's why there is a large number of pieces waiting for me to wake up one day with high ego and not thinking, as usual, i look too miserable to promote whatever it is.
Anyway, what i really meant to say today is that the above
picture (which was taken almost 2 years ago) and that was rediscovered yesterday (and that fulfilling the tradition of zero self-esteem i'd totally disregarded by the time i took it) left me staring at it.
It's the first time that in addition to the undeniable similarities i have with my mother, looking at me i also see my father.
That puts it in my gallery of favorite pictures and i'm publishing it without the slightest second thought.
Because, you see,
this is me.

4 comments:

theweightofdreams said...

[sofro do mesmo trauma...]

és mesmo bonita e as tuas expressões têm sempre uma intensidade extraordinária.

Brooke said...

you have such a lovely and beautiful face to show in portraits, although when I see them I am usually impressed by the colors and am not even focusing on your face. I'm sure whatever you decide to do will be true to you. :)

mimiko said...

Sempre que vi fotos tuas, foi essa a Rita que eu vi... mas mais sorridente. Faz-me lembrar a primeira vez que ouvi a minha voz gravada, achei que devia fazer doer nos ouvidos dos outros, afinal parece que não! Beijinhos linda Rita

Tereclopes said...

Auto estima zero??????? com essa cara??? esses olhos??? essa boca???
queres mais motivos para subires a auto estima??? eu posso dizer mais.
Menina! tu és realmente muito bonita e bonita também por dentro, é a ideia que tenho a teu respeito eu que tenho idade para ser tua mãe, já tenho idade para saber analisar estas coisas não? e não sou suspeita porque até nem nos conhecemos pessoalmente.