1.2.11

Is anything wrong


Dou por mim a pensar no que faria se me dissessem, de repente, que não vou ter tempo de envelhecer. De que tudo vai acabar mais depressa do que planeei, de que os muitos anos que achava que ainda tinha para viver eram uma certeza que já não posso ter.
Todas as coisas que eu teria para dizer e fazer durante uma vida que, pela lógica, ainda se avizinhava longa, condensadas num curto espaço de tempo. O tempo que restasse.

Definir as prioridades, o essencial, é uma coisa que me é fácil, apesar da desorganização pela qual a minha realidade se pauta tantas vezes.

A minha capacidade de síntese, que já chegou mesmo a ser adjectivada de extraordinária, a ser derradeiramente posta à prova e, a verdade, é que no meio dessa lista que teria que elaborar à pressa, entre o que não poderia deixar de dizer e fazer, entre muitas outras coisas, estarias tu.

Não segundo o grau de importância, porque esse eu já não sei qual é.
Mas, apesar de apenas um item, numerado, no meio de todas as coisas importantes, as inadiáveis, as fúteis e as inesquecíveis, continuas a ter o teu lugar.

3 comments:

Carina said...

... fizeste-me pensar... e isso é bom, apesar de tudo ;-)

Gostei muito do post e da foto, então, nem se fala!

Beijinho

Dan said...

ia dizer o mesmo,a foto ta linda e o texto tocou-me . :)

bikim said...

verdade! carpe diem!!
Rosa